Home / Entrevistas / Entrevista com De Repente Dentista! @sobazinho

Entrevista com De Repente Dentista! @sobazinho

dentista

Hoje vou entrevistar o “último anista” Maurício Shimada conhecido como @sobazinho do Blog De repente, dentista.

Cursando o último período da FOA (Faculdade de Odontologia de Araçatuba-UNESP). Fala sobre suas impressões universitárias do dia-a-dia, e é claro Odontologia!

de repente dentista

Vamos ao bate papo:

1- Como vão as expectativas do último anista com relação ao futuro da sua carreira e mercado de trabalho?

Acredito que a fase de sentir medo do futuro, de as coisas não darem certo ou não saírem como planejado, já passou. Agora, que eu já me conformei com isso, estou mais numa fase de aproveitar este último ano como posso. Acredito que para qualquer carreira, um início na vida profissional sempre será complicado e recheado de dúvidas, então o jeito é seguir com fé, não é? E, de verdade, emprego pra dentista não falta, melhor dizendo, emprego para o bom profissional é que não falta.

Eu ainda não tenho nada certo sobre o que fazer. Mas topo as aventuras que me baterem à porta!
Vejo que o mercado de trabalho está saturadíssimo, mas quem é que nunca pegou um resinoma num paciente da graduação? Com esse tipo de trabalho por aí afora tem lugar pra mim sim!

2- No post “Mercado de Trabalho Odontológico” e em outros textos, você demonstrou uma visão segura e razoável do que espera no mercado de trabalho. Você recebeu alguma instrução sobre empreendedorismo na graduação, algum curso de congresso ou sempre gostou do assunto?

Aqui na FOA temos uma disciplina que aborda isso, só que ela é só de um semestre, mas como eu sempre me interessei por empreendedorismo e administração, sempre gerava umas discussões boas durante a aula. Não seria má idéia se fosse inserida nas grades curriculares de Odontologia alguma disciplina que abordasse isso de uma forma mais integral, que ensinasse noções de administração e gerenciamento de clínica.

3-Torce para o São Paulo?

Torço sim! Mas não sou fantático. Aqui na república moramos em três são paulinos, um cruzeirense e um corinthiano, quando rola um futebol é de praxe chamar o pessoal pra assistir aqui em casa. Mas futebol não é o meu forte não, prefiro mais esportes de aventura aí! Ah, e só pra constar, morando em Araçatuba tem que torcer também pro Vôlei Futuro!

4- O trote sempre fez parte da comemoração e entrosamento universitário, de modo que grandes amizades e até amores surgem desta simbólica fase que a maioria dos universitários passou. Você mostrou a sua opinião no post “Mídia irresponsável”, qual a sua opinião e experiência sobre os trotes e seus rituais?

A linha que existe entre a sátira e a humilhação é bem tênue. Vai muito da cabeça e da interpretação de cada um. As coisas estão mudando e os ritos também vão mudando com o tempo. Acho muito bonito o pessoal ir plantar árvores, arrecadar alimentos e doar sangue como forma de “trote”, mas o problema é que esse tipo de atitude nessas condições fica restrito só ao momento do “trote” em si, porque depois ninguém mais se lembra de ir plantar uma árvore, doar sangue ou fazer caridade senão nessas épocas. Não acho nem pior, nem melhor a situação de se acabar com os trotes, com essa onda de bullying qualquer pretexto vira agressão e caso de polícia. Acho só que eu passei por isso, dei trote, e dou trote bem ao estilo velha-guarda da Unesp, corto cabelo, faço bagunça com os “bixões” e faço eles servirem muita cerveja, mas são desses que a gente acaba se aproximando mais e virando amigo. Diferente daqueles que acabam se recusando a participar e depois ficam restritos aos grupos que ninguém chama pra tomar uma no fim de semana.

5- No post “Sobre o Hino da Unesp Araçatuba” , onde você colocou a sua visão sobre os “hinos universitários” que fizeram polêmica no  Blog Vida de Dentista no post “Formatura de Odontologia: Vergonha Alheia!” com depoimento (mais de 140 comentários) de vários universitários e dentistas indignados. Por que você acha que tanta gente ficou indignada com algo que faz parte do cotidiano universitário?

Quando a gente acaba ficando velho, nos esquecemos das coisas boas da vida. O hino é só uma brincadeira pra ver quem é que fala mais besteira. Qual seria a graça entoar um hino homérico que ninguém gostasse de cantar? Esses hinos e trovas são coisa de bêbado e de onde tiraram que dentista não pode beber?
Claro que os pais ficam indignados, a população fica indignada. Saber uma parte da história é muito fácil e brasileiro adora apontar o dedo na cara do outro e falar um monte de coisa. Até mesmo esse tipo de indignação foi efêmero, pois hoje o pessoal nem quase se lembra do episódio de todo o “converseiro” do post do Vida de Dentista gerou. As mesmas pessoas que acharam um absurdo cantar esse tipo de canção já foram ao dentista e nem se lembram mais disso.

E não é só com relação a esse tipo de preconceito que o pessoal tem, em muitas outras cidades, o público universitário é mal falado nas rodas mais carolas, pois bebemos, fazemos bagunça, e acima de tudo somos jovens. E como eu disse: “Quando a gente acaba ficando velho, nos esquecemos das coisas boas da vida”, não que essas sejam as coisas boas da vida, mas são fases que farão parte da nossa formação como pessoa, temos que viver tudo isso, enjoar, e quando formos mais velhos, adultos e “carolos” vamos falar mal também da juventude e ver como ela se sai!

6- Segundo o ENADE (Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes) a FOA está entre as faculdades que receberam nota 5, que é a nota máxima deste exame. Você acredita que a qualidade de ensino na graduação irá influenciar no futuro profissional?

É claro que uma boa formação tende a influenciar de forma positiva na vida profissional de qualquer um. Mas mais do que isso as pessoas que você conhece e o tipo de relacionamento que você tem com elas influenciarão mais na sua vida que sua formação. Tratar bem uma pessoa, como pessoa, como ser humano, vale mais Smiley piscando!
Mas sim, a qualidade influencia, sim. Eu que já tive a oportunidade de conhecer outras universidades e cursos de odontologia, vejo que aqui na FOA, tanto como estrutura física como corpo docente, temos um time muito bom, e pra quem quiser conhecer a faculdade, aproveite que agora estamos próximos ao Congresso da FOA, antes denominada Jornada Acadêmica. É uma ótima oportunidade de vir conhecer nossas dependências por aqui!

7- A Odontologia Desportiva não chega a ser uma especialidade, mas vejo com certa frequência no seu blog, textos ou vídeos relacionando esporte e Odontologia. O motivo seria o ambiente universitário, Interodonto ou sempre gostou de esportes?

Esporte também é saúde. Pratique esporte!
Tudo o que você citou também influencia. Universitário bebe, faz bagunça, mas também pratica esporte, é difícil ver na mídia televisiva algo sobre isso. Mas as pessoas que estão hoje nas faculdades e universidades são de uma geração em que o pai levou na escolinha de futebol, levou pra fazer judô, levou na natação, levava pra competir… O esporte está muito presente na vida da nossa geração e tende a estar cada vez mais.
É um paradoxo muito grande quando vemos um profissional da saúde com problemas mórbidos de saúde. Por exemplo, um dentista que cuida mal dos dentes; um cardiologista obeso; um educador físico fora de forma. Então, são coisas que nos faz pensar.
E aí une tudo o que disse nas outras perguntas, o esporte melhora a formação pessoal e as relações que temos com as pessoas, o esporte aproxima as pessoas; O esporte é saúde, melhora o dia, te dá disposição para fazer mais coisas!
Ah, o interunesp é bem mais esporte que o interodonto, heim!

8- Considerações Finais:

Alexandre, foi um prazer ter essa oportunidade de ter um bate papo legal com você! Espero que isso não seja enjoativo (fui meio prolixo em algumas partes)!
Queria dizer que eu não tive um motivo pra fazer odontologia, mas digo que me apaixonei pelo ofício e aconselho a todos os graduandos que estudem muito, pois o mercado, a sociedade e principalmente vocês mesmos esperam muito do seu futuro. Que aproveitem ao máximo tudo, a faculdade, os amigos, as baladas, as provas, os professores e pacientes que passam por vocês. Que quando somos bons as coisas boas convergem para nós! -Amém!
Mando um alô pra todos os meus irmãos unespianos, pra todos os colegas e futuros colegas de profissão. Mando um beijo pro meu pai, pra minha mãe e principalmente pra Xuxa… hauehauheuaheuahuehaea

Comentários via Facebook

Check Also

Gustavo Cerbasi Parte 2: Aposentadoria e Finanças Pessoais!

No primeiro Post “Gustavo Cerbasi Parte 1: Em Defesa dos Profissionais!”, este famoso autor deu …

4 comments

  1. Particularmente eu não conhecia o futuro colega e nem o seu blog.

    A respeito da postagem que fiz, lamento muito por até hoje ver que os alunos da Unesp não conseguiram interpretar o texto que postei, onde eu critiquei O MOMENTO em que aquele hino foi cantado.

    É lamentável que dentistas se formem sem ter o mínimo de discernimento e interpretação de texto.

    Mas sobre a entrevista, tirando a parte em que o “sofazinho” ou “sobazinho” sei lá, deu a entender que eu era um “carolo velho”, achei bacana.

    Parabéns Koga-Jiraya-Jaspion-Spectroman 😀

    • Ow, Fabrício… Não te chamei de carolo não cara! Também acho que muita gente que canta o hino, canta só por que vê os veteranos cantando e nem sabem o real significado, que está longe de ser somente a tradução literária do que é dito… É só sendo daqui pra saber. Sei lá… Eu só acho que todo mundo devia ter mais liberdade de expressão e elogiar mais do que criticar! Abração cara, valeu pelo comentário aqui!

      • Aeeeeee Sobat’s representando a Rep. Bola 8 – Tá ficando famoso, parabéns pela entrevista muleque! Esporte é TUDO!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *